Jovem é premiada por aparelho que detecta câncer de mama em casa
Saúde e Bem-Estar / Tecnologia

Conheça o aparelho que detecta câncer de mama em casa e rendeu um prêmio a uma jovem espanhola

Uma invenção que detecta o câncer de mama em casa rendeu o Prêmio Internacional James Dyson Award a uma jovem espanhola de apenas 23 anos.

Veja também:

A descoberta contra o câncer

O prêmio para jovens engenheiros foi concedido a Judit Giró Benet, uma espanhola que desenvolveu a “The Blue Box”, uma caixa azul que consegue detectar a doença de forma prática e preventiva.

The Blue Box
The Blue Box

Para detectar a doença, a caixa inovadora de Judit usa apenas uma amostra de urina e um algoritmo de IA – Inteligência Artificial. Um em cada três casos de câncer de mama é detectado tardiamente, e por isso, Judit espera que sua invenção salve vidas ao tornar o diagnóstico rapidamente acessível a todos.

Histórico de câncer na família e a trajetória de Judit

Foi o diagnóstico de câncer da própria mãe que inspirou Judit na criação da Blue Box. A jovem também ficou intrigada com a capacidade dos cães em farejarem câncer em humanos.

“Se o cachorro late, eles sabem que o humano tem câncer. E os cães nunca erram. Eles estão sempre certos, o que mostra como a natureza é incrível. Então, pensei, se o cachorro é capaz de fazer isso, por que meu microprocessador não seria capaz?”

Judit Giró Benet
Judit Giró Benet

Judit sempre mostrou grande interesse por matemática e ciências. Seu pai é engenheiro elétrico e a inspirou a pensar como um engenheiro por toda a vida.

Inicialmente, ela queria ser médica, mas acabou escolhendo a engenharia biomédica. “Um dia, quando eu tinha 15 anos, fui com um dos meus professores para uma exposição de aptidões profissionais e ouvi alguém palestrar sobre engenharia biomédica. Ouvir isso fez com que eu me apaixonasse, mas eu sabia que teria que estudar muito”, disse ela.

A comercialização

Depois da criação do aparelho, Judit está a um passo de ver a “The Blue Box” ser vendida em todos os lugares por 60 dólares, cerca de 300 reais, e o prêmio vai ajudá-la nesta missão.

“Além disso, o prêmio em dinheiro nos permitirá patentear o produto. E se formos patenteados, somos capazes de lançar aos investidores. Portanto, em vez de levar dois anos, levará meio ano. É uma grande diferença”, comemorou Judit.

A jovem cientista continua trabalhando no aperfeiçoamento da caixa na Universidade de Irvine, na Califórnia. Judit está fazendo ensaios clínicos e futuramente espera a aprovação do FDA, a Agência de Medicamentos dos EUA.

Com informações do Inspire More






Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *