Saúde e Bem-Estar

Suor do bem e suor do mal. Saiba mais sobre a transpiração

É interessante saber que, principalmente em dias quentes, temos uma sensação incômoda provocada pelo suor, mas ele é extremamente necessário para o bom funcionamento de nosso organismo. Vamos saber mais:

suor-do-bem

A utilidade do suor

Suar é prova de que o corpo está trabalhando para evitar problemas. A transpiração umidifica a pele e serve como forma de excreção de diversas substâncias potencialmente tóxicas, como cloreto de sódio, potássio e bicarbonato. Tomar banho sempre que estiver muito suado é a melhor recomendação. Cuidado para não abusar dos sabonetes com desodorante e nem dos sprays, pois eles podem causar manchas na pele.

Suor noturno

Embora muita gente tenha a sensação de que suou horrores durante o sono, esse problema praticamente inexiste do ponto de vista fisiológico. Segundo os médicos, quando isso ocorre, na verdade, é preciso investigar, pois pode se tratar de um sintoma de alguma doença, como a Doença de Hodgkin, um tipo de linfoma. Outra hipótese levantada pelos especialistas é a de que a hiperidrose noturna ocorra em indivíduos com o estado emocional afetado e que estejam sofrendo de transtornos como estresse ou ansiedade, por exemplo.

Quando o suor passa a ser um problema

A hiperidrose pode ser dividida em primária e secundária. A primária é a que não tem causa definida. Neste caso, o suor em excesso está principalmente relacionado a fatores emocionais. Estima-se que a hiperidrose de fundo emocional afete por volta de 0,6% da população mundial. “Ela melhora durante o sono”, explica a dermatologista Juliana Kingston (RJ), membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. Já a hiperidrose secundária, mais comum, pode estar associada à obesidade, menopausa, uso de drogas (como antidepressivos), distúrbios endocrinológicos (hipoglicemia, hipertireoidismo, etc) e disfunções neurológicas (como paraplegia e outras lesões focais do sistema nervoso central).

_____________________________________

Com informações de: Revista Saúde.






Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *