mau humor
Saúde e Bem-Estar

Distimia, quando o mau humor passa a ser doença

É interessante saber que o mau humor atinge milhares de pessoas atualmente e que, muitas vezes, é inevitável passar por momentos de irritação e estresse. Também sabemos que sempre é fácil reconhecer quando alguém tem depressão. Enquanto a forma mais severa da doença impede que a pessoa trabalhe e faça as atividades do dia a dia, existem outros tipos da doença com sintomas menos intensos que acabam passando despercebidos. Uma delas é a distimia. Vamos saber mais?

Veja também: Veja o que a falta de sono pode provocar em nosso organismo.

Distimia, quando o mau humor passa a ser doença

mau humor

Este subtipo da doença traz uma sensação de tristeza menos intensa do que a depressão, porém, a melancolia é duradoura, e pode se estender por anos, o que faz que a pessoa e os que estão próximos a ela tenham dificuldade para notar os sinais.

De acordo com o site Minha Vida, além do comportamento explosivo, percebe-se também uma grande irritabilidade no paciente com distimia, o que as tornam pessoas de difícil relacionamento. No trabalho, costumam ser chamadas de resmungões. Apesar de trabalharem corretamente, normalmente têm problemas em serem criativos. Além disso, distímicos apresentam o mesmo padrão do sono de quem tem depressão.

Como identificar a doença?

A presença de duas ou mais características a seguir fazem parte do diagnóstico de quem possui distimia: Apetite reduzido ou aumentado, insônia ou hipersonia, baixa energia ou fadiga, baixa auto-estima, fibromialgia, dificuldade em tomar decisões, pessimismo permanente, baixa capacidade de se concentrar e sentimento de desesperança.

A cura

Não existe cura para a distimia, mas o uso de antidepressivos e psicoterapias podem ajudar no tratamento. Os antidepressivos ajudam com relação aos distúrbios psicológicos. Já a terapia, serve para que o paciente aprenda a estabelecer boas relações afetivas, familiares e sociais.

———————————————————–

Conhece alguém que possui um mau humor crônico? Compartilhe essa informação.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *