As pessoas mentem no Facebook e dizem a verdade no Google


É interessante saber que quando a pessoa está sozinha diante do computador, ela tende a dizer ao mecanismo de busca coisas que não revela nas redes sociais, ou que não revela a mais ninguém.

falsidade-na-internet

Estudos mostram o que muita gente já percebeu: as redes sociais estão nos deixando mais infelizes. Temos uma vaga noção de que o resto do mundo não pode ser tão bem-sucedido, rico, atraente, descontraído, intelectual e alegrinho quanto parece no Facebook; no entanto, é inevitável compararmos nossa vida real com a versão editada de nossos amigos.

A vida perfeita das pessoas nas redes sociais não é real

Até que ponto o mundo de verdade é diferente do universo das redes sociais? Vejamos alguns exemplos para analisar:

O norte-americano passa seis vezes mais tempo lavando louça que jogando golfe, mas há mais ou menos o dobro de tuítes anunciando a prática do esporte do que em relação à limpeza da cozinha.

O hotel econômico Circus Circus e o luxuoso Bellagio, ambos em Las Vegas, recebem aproximadamente o mesmo número de hóspedes, mas no Facebook aparece o triplo de check-ins do segundo.

Vemos todos os dias diversas fotos e postagens sobre pessoas felizes, viajando, comendo e poucas de gente passando por dificuldades, trabalhando duro, ou sofrendo.

A busca pelo status online

A busca pelo status online sofre algumas distorções um tanto peculiares: o Facebook trabalha com uma empresa terceirizada para reunir dados sobre o tipo de carro que seus membros possuem, mas também mantém informações sobre os veículos associados às pessoas de acordo com suas postagens e curtidas.

Assim, a probabilidade do dono de uma BMW e/ou Mercedes anunciar o fato no Facebook é 2,5 vezes maior que a de alguém que tenha um carro médio ou marca comum.

Nos EUA, o desejo de se exibir e exagerar as posses é universal: caucasianos, descendentes de asiáticos, negros e hispânicos são duas ou três vezes mais propensos a aparecer com um carro de luxo no Facebook do que com um carro padrão.

Mas pessoas diferentes em locais diferentes podem ter ideias diversas sobre o que é legal e o que é constrangedor. Gosto musical, por exemplo. De acordo com os dados de 2014, do Spotify Insights sobre o que as pessoas realmente ouvem, homens e mulheres têm gostos semelhantes: 29 dos 40 músicos que elas ouviram com mais frequência são os mesmos ouvidos por eles.

No Facebook, porém, os homens parecem esconder ou subestimar os artistas considerados mais “femininos”. Por exemplo, no Spotify, Katy Perry foi a décima cantora mais ouvida entre os homens, superando Bob Marley, Kanye West, Kendrick Lamar e Wiz Khalifa, mas todos esses receberam mais curtidas masculinas no Facebook. Mais uma prova de que as pessoas mentem nas redes sociais e dizem a verdade apenas para si mesmas, quando estão sozinhas.

A pressão para ter certas características nas redes sociais pode fazer muito mais do que distorcer a imagem que temos dos músicos que os outros ouvem.

O perigo de tentar seguir um padrão online

Quem sofre de doenças está apelando cada vez mais para as mídias sociais, não só para interagir com outros pacientes, como também para aumentar a conscientização sobre o problema – só que, se o mal for considerado constrangedor, as chances de que alguém se associe publicamente a ele serão bem menores.

Os níveis de ocorrência da síndrome do intestino irritável e da enxaqueca são semelhantes; ambos afetam 10% da população dos EUA, mas quem sofre da segunda criou 2,5 mais grupos de conscientização e apoio que os pacientes da primeira.

Esse comportamento não é, de forma alguma, novo, embora o formato que passou a assumir seja, sim. Amigos sempre se exibiram para amigos; as pessoas tentam o tempo todo se lembrar de que a vida dos outros nem sempre é tão fácil quanto parece.

As pessoas dizem a verdade quando estão sozinhas

Pense na frase dita pelos membros dos Alcoólicos Anônimos: “Não compare seu interior com o exterior alheio”. É claro que esse conselho é difícil de seguir; afinal, nunca vemos o interior das outras pessoas.

Na verdade, porém, foi exatamente o que eu fiz nos últimos cinco anos, estudando dados de pesquisa agregados do Google. Sozinha com a tela, anônima, a tendência da pessoa é dizer ao mecanismo coisas que não revela às redes sociais, às vezes que não revela para ninguém mais. O Google oferece o soro da verdade digital. As palavras que colocamos ali são muito mais honestas que as fotos que mostramos no Facebook ou Instagram.

Às vezes, os contrastes em fontes de dados diferentes são divertidos. Imagine como as mulheres falam de seus maridos.

Nas redes sociais, as principais descrições que completam a frase “Meu marido é…” são: “o melhor”, “meu melhor amigo”, “incrível”, “o maioral” e “tão fofo”. No Google, um dos cinco complementos mais comuns para essa frase também é “incrível”, mas veja só os outros quatro: “um idiota”, “irritante”, “gay” e “maldoso”.

Embora passar cinco anos olhando para uma tela para conhecer melhor os pensamentos mais estranhos e sombrios do ser humano não seja considerado diversão para a maioria, achei as informações honestas surpreendentemente tranquilizadoras, pois me fizeram me sentir menos só com minhas inseguranças, ansiedades, lutas e desejos.

E quando se analisa dados de busca agregados por um determinado período, é difícil levar a sério as versões editadas que vemos nas redes sociais. Ou como gosto de resumir o que aprendi com o Google: somos todos um bando de desajustados.

Tá, você pode não ser cientista de dados; pode não saber como codificar em R nem calcular um intervalo de confiança, mas ainda assim pode tirar vantagem do big data e do “soro da verdade digital” para acabar com a inveja de outrem – ou pelo menos tentar diminui-la.

Não sinta-se mal com o que vê nas redes sociais

Toda vez que se sentir desanimado com a sua vida depois de dar uma espiada no Facebook, vá para o Google e comece a digitar. A função autocompletar vai lhe mostrar as buscas que os outros andam fazendo. Comece com “Eu sempre tenho…” e talvez veja algumas sugestões baseadas nas pesquisas gerais, como “Eu sempre tenho que mijar” ou “Eu sempre tenho diarreia”. Quase sempre é um contraste gritante com as redes sociais, onde todo mundo parece “sempre” estar de férias no Caribe.

Já que as tecnologias digitais vão ocupando um espaço cada vez maior na nossa vida, sugiro um novo mantra de autoajuda para o século 21, cortesia do big data: “Não compare suas buscas no Google às postagens dos outros no Facebook”.

_________________________________________

Seth Stephens-Davidowitz é economista, autor de Everybody Lies: Big Data, New Data, and What the Internet Can Tell Us About Who We Really Are (ainda sem tradução no Brasil).

Com informações de New York Times.


One Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais: Tecnologia