o valor da família
Valores

A importância da família estruturada para salvar sociedade

A família é a célula base para a formação de todo indivíduo, e é nesse convívio que aprendemos, um com o outro, a respeitar, partilhar, ter compromisso, disciplina e a administrar conflitos. Formando o indivíduo, um conjunto de famílias forma toda a sociedade e define toda uma estrutura social. Já vemos aí que uma família estável é fundamental para uma sociedade estável.

Veja também:

Uma das instituições mais antigas e duradouras, a família é pilar de sustentação para todos, afinal é nela que aprendemos a conviver e interagir com o mundo, além de sermos preparados para a vida. Uma família cercada de amor, paciência, respeito e cumplicidade educa e forma indivíduos seguros e aptos para o convívio social.

Pessoas desequilibradas são geradas em famílias desestruturadas

De acordo com a educadora Sílvia Gaspar, uma família bem estruturada é fundamental no que se refere à formação das crianças e jovens como futuros membros de uma sociedade.

“É na família que se vive e se assimila, para toda a vida, os valores fundamentais do homem e neste relacionamento estreito, com forte ligamento de afeto e cumplicidade é que, em geral, se baseia a conduta de cada um dos cidadãos, quer numa cidadezinha de interior ou numa metrópole”, enfatiza.

A socióloga Vera Araújo, docente da Universidade de Sophia, na Itália, ressalta que a família também é a primeira atingida pelo desequilíbrio social. Deste modo, sua importância é fundamental e é através dela que se inicia a renovação da sociedade que muito se deseja.

“Na família se gera a solidariedade e o amor. Na família há sexos diferentes, idades diferentes, capacidades diferentes, é um laboratório onde se vive o amor”, elucida a socióloga.

O valor da família
Fonte da imagem: Pexels.

O valor das coisas simples em família

Lembra daquele cheirinho de café que te faz recordar do colo da vovó? A canção que sua mãe cantava para você antes de dormir? A brincadeira que você tanto se divertia com seu pai? São essas lembranças que permitirão que a pessoa seja segura, alegre, agradecida. Observe os pequenos e fundamentais detalhes para se ter uma vida plena de contemplações e gratidão.

O papel fundamental da família na sociedade vai muito além do de ensinar o que é certo e o que é errado. A família forma indivíduos afetuosos, conscientes, tolerantes, pacientes, respeitosos, autoconfiantes e felizes!

Falamos de famílias estruturadas exatamente pela busca do que é bom e correto. Um conselho para os bons pais é dado por Santa Teresa d’Ávila no seu Livro da Vida:

“Se eu houvesse de aconselhar os pais, diria-lhes que, nesta idade (adolescência), tivessem grande cuidado com as pessoas com as quais seus filhos se relacionam. Muitos males podem resultar de más companhias, porque nossa tendência natural é seguir o que hé de pior, em vez do que é melhor”.

E por falar em tendência natural de buscar o que é errado, chega a hora de falar daqueles que vivem fora da família, sujeitos a todo o tipo de má influência sem nenhum filtro ou proteção.

Fora da família há desequilíbrio

Segundo a educadora Sílvia Gaspar, não é difícil entender que se uma família é bem estruturada pode gerar indivíduos equilibrados e atuantes positivamente em uma comunidade. Dessa forma, logicamente, contrário também é válido.

“Os pontos mais comuns que prejudicam o convívio familiar e criam mecanismos problemáticos nas famílias são ligados, em geral, às dificuldades sérias encontradas na condução da educação dos filhos; condutas que favorecem um consumismo exacerbado; desatenção à intromissão sem critérios dos meios de comunicação de massa; desvalorização do aspecto da espiritualidade na formação humana”, destaca.

solidão e tristeza
Fonte da imagem: Pexels.

Esse tipo de dificuldade, em famílias desestruturadas, na maior parte dos casos, gera indivíduos inseguros, carentes de valores, de afeto, prejudicados socialmente, sem força de atuação na própria vida e também no convívio social, explica a educadora.

“Atualmente vários estudos psicológicos comprovam que a relação pai, mãe, filho e irmãos é uma realidade tão profunda e intrínseca no ser humano que seu fracasso pode desencadear uma série de situações de desequilíbrio e sofrimento que vai do aspecto individual e psicológico, ao aspecto comunitário e social, até com patologias mais sérias”, salienta Silvia Gaspar.

Na sociedade doente que vivemos, fica bem claro que a solução de vários problemas passa pela volta do respeito aos verdadeiros valores familiares.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *